Pesquisar

Notícias  »  Blogs  »  30/04/2021 às 09:40

Diálogo Semanal de Segurança (DSS) - Abril 2021

Conteúdo para os colaboradores da ALJ

Confira as dicas
Confira as dicas

Prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho é o compromisso da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).

 

Aqui no blog Sou+ALJ você confere nossas dicas semanais para cuidar do corpo e da mente, tornando sua rotina ainda mais segura. 

Tema: Dia Mundial da Segurança e da Saúde no Trabalho | Edição nº4 - Abril 2021 | Data: 30/04/2021

No dia 28 de abril de 1969, uma explosão numa mina no estado norte-americano da Virginia matou 78 mineiros. Em 2003, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) instituiu a data como o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, em memória às vítimas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. A data foi instituída no Brasil pela Lei nº 11.121/2005.

 

De acordo com o Ministério da Economia, entre janeiro e dezembro de 2019, foram autorizados 193.660 auxílios acidentários no país. Este número contempla doenças relacionadas a acidentes físicos sofridos pelos trabalhadores ou mesmo as doenças ocupacionais desenvolvidas pelo exercício diário das atividades profissionais.

 

Em 2018, o número de acidentes de trabalho, segundo o governo federal, somou 477.415 em todos os estados brasileiros mais o Distrito Federal. Cerca de 2.022 pessoas morreram durante o expediente. O número de mortes entre 2012 e 2018 chega a 16.455, segundo levantamento do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho.

 

O intuito é conscientizar a sociedade sobre o alto índice de acidentes e de doenças relacionados ao trabalho. E não são apenas os trabalhadores que exercem atividades perigosas que devem ficar atentos, qualquer profissional pode sofrer acidentes ou adoecer e deve tomar medidas preventivas.

 

>> Crédito do conteúdo: Agência Senado. <<

 

Tema: Capacete de Segurança | Edição nº2 - Abril 2021 | Data: 09/04/2021

O capacete tem a finalidade de proteger a cabeça contra ferimentos causados pela queda de objetos de níveis elevados, contra lesões decorrentes de batidas da cabeça em objetos fixos e proteger contra descargas elétricas.

 

O capacete é constituído de um casco em polietileno de alta resistência e de uma suspensão interna conhecida como carneira, que distribui uniformemente a força do impacto dos objetos contra o equipamento.

 

Nos locais elevados e sujeitos à ação do vento, o capacete a ser usado deve dispor de uma fita de fixação "jugular’. Trata-se de uma fita que, ao passar por baixo do queixo, evita que o capacete caia caso a pessoa incline-se bruscamente ou se soprar um vento muito forte.

 

O capacete deverá ser usado com a aba frontal voltada para a frente. O objetivo desta aba é de proteger o rosto da pessoa contra a queda de objetos. Não use gorros ou bonés abaixo do capacete e nunca deixe o capacete atirado em qualquer lugar ou o despreze na execução de uma tarefa, pois o uso desse equipamento poderá ser, em muitos casos, o diferencial entre a vida e a morte.

 

Para o seu uso eficiente, é recomendado:

 

- Sempre regular a suspensão corretamente ao diâmetro da cabeça;
- Ajustar o tamanho da tira ou da fita jugular no queixo;
- Sempre utilize o capacete com a aba voltada para frente;
- Não utilizar o capacete para guardar ou carregar objetos, nem como travesseiro, banco, etc;
- Não utilizar capacetes danificados ou com defeitos;
- Não alterar o capacete, seja pintando, furando ou riscando o equipamento.

 

>> Fonte: blog Segurança do Trabalho. Clique AQUI <<.

Tema: Queimaduras | Edição nº1 - Abril 2021 | Data: 01/04/2021

As queimaduras estão entre os acidentes domésticos mais comuns, sendo caracterizadas por lesões nos tecidos que envolvem as diversas camadas do corpo. Em geral, são causadas pelo contato direto com objetos quentes, como brasa, fogo, chamas e vapores quentes. São classificadas de acordo com a extensão e a profundidade da lesão. A gravidade depende mais da extensão do que da profundidade.

 

Queimadura de 1º grau: são queimaduras leves, causando vermelhidão no local seguido de inchaço e dor variável. Não há formação de bolhas e a pele não se desprende. Na evolução, não ocorre o surgimento de cicatrizes, mas a pele pode ficar um pouco escura no início, tendendo a se resolver por completo com o tempo.

 

Queimaduras de 2º grau: nessas queimaduras ocorre um destruição maior da epiderme e da derme, com dor mais intensa, Em geral, aparecem bolhas no local ou ocorre o desprendimento total ou parcial da pele afetada. A recuperação dos tecidos é mais lenta e pode deixar cicatrizes e manchas claras ou escuras.

 

Queimaduras de 3º grau: destruição total das camadas da pele, com o local podendo ficar esbranquiçado ou carbonizado(escuro). A dor é geralmente pequena, pois a queimadura é tão profunda que chega a danificar as terminações nervosas da pele. Pode ser muito grave e até fatal, dependendo da porcentagem de área corporal afetada. Na evolução, sempre deixam cicatrizes, podendo necessitar de tratamento cirúrgico e fisioterápico posterior para retirada de lesões e aderências que afetem a movimentação.

 

Como proceder após a ocorrência da queimadura: lavar imediatamente o local com água fria e corrente. se possível, deixar alguns minutos na água para diminuir a temperatura local.

 

Importante:

- Nunca aplique nenhum produto caseiro (sal, açúcar, pó de café, pasta da dente, pomadas, ovo, manteiga, óleo de cozinha ou qualquer outro ingrediente), pois eles podem complicar a queimadura e dificultar um diagnóstico mais preciso. 

- Não aplique gelo diretamente no local, pois isso pode piorar a queimadura.
- Evite também pomadas ou remédios naturais, assim como qualquer medicação que não for prescrita por médicos.
- Em caso de ingestão de produtos caústicos ou queimaduras em boca e olhos, lavar o local com bastante água corrente e procurar o pronto-socorro.
- Não toque a área afetada.
- Não tente retirar pedaços de roupa grudados na pele. Se necessário, recorte em volta da roupa que está aderida a pele queimada.
- Não cubra a queimadura com algodão.

 

>> Fonte: TS Nogueira. Clique AQUI e confira o conteúdo original. <<